Empreendedores nacionais desenvolvem modelo de negócio nos EUA

Empreendedores nacionais desenvolvem negócios nos EUA

Depois da participação na edição de 2017 do inRes –  Entrepreneurship in Residence, iniciativa de aceleração de negócios do Programa Carnegie Mellon Portugal (CMU Portugal), três  equipas de empreendedores portugueses vão para os Estados Unidos da América para participarem num programa de imersão com a duração de sete semanas.

A Caterpillar Math, a Connect Robotics e a WESENSS, equipas nacionais, terão a oportunidade de aproveitar, no campus de Pittsburgh, todas as valências do Swartz Center for Entrepeneurship. Depois disso seguem para o campus de Silicon Valley da Carnegie Mellon University (CMU), para uma fase intensiva de validação dos modelos de negócio, afinação de soluções tecnológicas e contatos com empresas e investidores.

Para a WESENSS, solução que permite a monitorização dos sinais vitais dos profissionais de primeira resposta, como bombeiros, socorristas e polícias, “a oportunidade de contatar pessoalmente, numa base diária, diferentes stakeholders e estabelecer com eles uma relação próxima e de confiança, é algo que mais nenhum programa proporciona. Esperamos regressar do programa inRes com um melhor entendimento das expetativas e necessidades dos stakeholders e com a definição de um modelo de negócio e estratégia de mercado sustentáveis.”

Também a Caterpillar Math – jogos digitais que pretendem desenvolver as competências matemáticas – e a Connect Robotics – serviço de entregas com drones, que inclui tecnologia de gestão autónoma de tráfego aéreo para drones -, participaram já na primeira fase do inRes que decorreu no Porto e em Lisboa, entre os meses de junho a agosto, e na qual se realizaram diversos workshops dirigidos por uma equipa de mentores experientes.

João Claro, diretor nacional do Programa CMU Portugal e coordenador do inRes, refere que “com o seu formato único e inovador em Portugal, o inRes permite às equipas o contato com especialistas, mentores, clientes e investidores, o que muitas vezes é vital para o sucesso, e essa é uma vantagem que todos os participantes têm reconhecido.”