3013-empresariosenior620

Cada vez mais seniores arriscam em negócios próprios

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

São cada vez mais os casos de “baby boomers”, pessoas nascidas na década de 50 do século XX, que investem num negócio próprio depois de uma vida a trabalhar para outras empresas. Kathleen Schneider é um desses casos e decidiu investir as suas poupanças para a reforma para poder ter controlo sobre o seu próprio sucesso.

De acordo com o Orange County Register, Kathleen Schneider, com 57 anos, decidiu usar parte do seu PPR e adquirir um franchising de impressão de material promocional para empresas. Com o seu negócio próprio aberto desde novembro de 2013, a nova empresária diz que “agora controlo se sou bem-sucedida ou não”.

De acordo com a Ewing Marion Kauffman Foundation, cerca de 23% dos empreendedores que começaram negócios próprios em 2012 nos Estados Unidos da América têm idades entre os 55 e os 64 anos. Segundo o estudo desta analista norte-americana, mais do que uma ocupação para a reforma, estes empresários seniores procuram poupanças de reforma mais “chorudas” e uma segunda carreira que lhes permita trabalhar sozinhos.

De acordo com o Census Bureau de 2013 dos EUA, existe uma probabilidade de apenas 50% de conseguir manter um negócio aberto depois dos primeiros cinco anos e para os “baby boomer” a recuperação pode ser mais difícil.

“Um empresário com 55 anos não tem 20 ou 30 anos para recuperar um negócio ou para resolver erros. É preciso analisar se depois de investir é possível pôr o negócio a funcionar, a obter lucro e recuperar esse investimento dentro de cinco anos. Para os “baby-boomers” o tempo deve ser uma das questões mais ponderadas”, refere Michele Markey, vice presidente da Ewing Marion Kauffman Foundation.

Mas apesar de todos os riscos inerentes, Kathleen Schneider decidiu aventurar-se no seu próprio negócio em regime de franchising. “Tenho um negócio com apoio em termos de fornecedores e contactos, mas ainda assim estou a gerir o meu próprio negócio!”

Lori Kewalram e o seu marido, também na casa dos 50 anos e que toda a vida trabalharam para outros empregadores, também decidiram abrir um negócio e optaram pelo franchising.

Abriram uma unidade da BrightStar Care, uma empresa que providencia cuidados não-médicos a idosos, usando parte das suas poupanças para a reforma, o que, de acordo com o casal, reflete “a nossa confiança na reputação do franchising”.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.