Capitais de distrito na mira

Até ao final do ano, a Diretiva pretende abrir três lojas franchisadas em diferentes capitais de distrito. Os principais alvos são: Lisboa, Leiria e Braga, mas tudo depende dos candidatos que aparecerem. 

A empresa portuguesa, especialista em consultoria de gestão para pequenas e médias empresas, pretende “dar apoio aos empresários que queiram melhorar a sua performance”, esclarece o diretor de expansão, Paulo Gaspar. Vendas, marketing, recursos humanos e contabilidade são alguns dos processos em que a Diretiva intervém perante os seus clientes.

Com sede em Vila Nova de Gaia, a empresa disponibiliza dois tipos de franchising: consultor e diretor de unidade.

O consultor será o profissional que trabalhará junto dos clientes angariados por si, com o “objetivo de melhorar a atividade e resultados do cliente final”, como especifica Paulo Gaspar.

Por outro lado, o diretor da loja será responsável pela angariação de novos consultores franchisados e terá de garantir que estes prestam um serviço de qualidade ao cliente. Segundo o responsável, o investimento depende do tipo de franchising em que o candidato se enquadra. 

Como consultor investe cerca de €170 por mês, o valor pode variar consoante o equipamento individual que o franchisado já possua, durante 60 meses, o que inclui o direito de entrada, formação inicial e todo o material e equipamento necessário para a atividade quotidiana, como computador, software e cartões-de-visita. Como esclarece o responsável, o investimento corresponde a um investimento total de €6276 (mais IVA), sujeito a aprovação bancária, uma vez que se tratará de um financiamento. O obrigatório é o direito de entrada, que são três mil euros acrescidos de IVA.

Um negócio para gestores

Como diretor investe num espaço preparado para sete consultores, em formação de topo, obras, mobiliário, equipamento para o grupo (servidores, audiovisual, comunicações e marketing de grande formato) este pacote está definido em €1300 por mês durante os 60 meses. Também aqui o franchisado terá de pedir financiamento para um investimento total de €47 452 (sem IVA), mas também ajustável de acordo com o equipamento e nível de espaço que já exista.

Ao fim desse tempo, “o franchisado será convidado a renovar apenas com um novo investimento de 5% dos direitos de entrada, por cada ano a renovar, sendo este prazo definido por ambas as partes”, esclarece o empresário.

Paulo Gaspar salienta ainda que preferencialmente será “dada prioridade a quem tenha alguma experiência no ramo, embora não seja um fator determinante, pois a Diretiva dará formação inicial e contínua”. Para além das características que se reconhece inerentes a qualquer empreendedor, como perseverança, dinamismo ou capacidade de gestão, o franchisado deve ainda ter conhecimentos de gestão.

O entrevistado garante que o franchisador procurará constantemente “proceder a melhorias do sistema de rede, agilizando processos e procedimentos.” Além disso, “um dos grandes objetivos de trabalhar na rede é poder contactar com várias pessoas que têm o mesmo espírito e a mesma filosofia com o cliente”, acrescenta.

PATRICIA FLORES

Gostou deste artigo?

Se pretende ler mais artigos sobre franchising, empreendedorismo e gestão, subscreva a nossa newsletter aqui