Mercados emergentes vão impulsionar economia global

Os consumidores dos mercados emergentes irão liderar a criação de riqueza e o crescimento da economia mundial nos próximos cinco anos, numa transferência do consumo de Ocidente para Oriente, revela o mais recente relatório da MasterCard Worlwide.

/images/textoimagens/fullsize/3990.jpg Os consumidores dos mercados emergentes irão liderar a criação de riqueza e o crescimento da economia mundial nos próximos cinco anos, numa transferência do consumo de Ocidente para Oriente, revela o mais recente relatório da MasterCard Worlwide.

 

Este documento, intitulado "Perspetivas de Consumo e Criação de Riqueza na Nova Economia Global", defende que, entre 2012 e 2016, os mercados emergentes (China, Índia, Brasil, Rússia, África do Sul, Turquia, México, Nigéria, Egito) acrescentarão uma média de 1.2 milhão de milhões de dólares (0,95 milhão de milhões de euros) por ano em despesas de consumo à economia global. Os mercados desenvolvidos contribuirão com apenas cerca de 700 mil milhões de dólares (553 mil milhões de euros). Os mercados de transição (Bielorrússia, Bulgária, República Checa, Geórgia, Hungria, Polónia, Roménia, Eslováquia, Ucrânia) significarão outros 95 mil milhões de dólares (75 mil milhões de euros).

O relatório avalia as implicações económicas das mudanças no consumo global para as empresas, enfatizando a relação entre o consumo e a criação de riqueza no contexto da economia de mercado.

"É a procura por parte dos consumidores que em última instância determina se as empresas, após os investimentos necessários ao desenvolvimento de produtos e serviços, terão conseguido criar riqueza", afirma Yuwa Hedrick-Wong, Global Economic Advisor da MasterCard Worldwide.

Entre 2008 e 2016 o share do consumo doméstico nos mercados desenvolvidos cairá dos 77,4% em 2008, para os 58,3% em 2016, com o share dos mercados emergentes a subir dos 19,5% em 2008, para os 38,7% em 2016, enquanto a fatia dos mercados de transição se mantém estável. Em conjunto, estes três mercados são os principais responsáveis pelo crescimento dos gastos de em consumo globais.

"É um marco importante. Provavelmente será a primeira vez na história em que os consumidores dos mercados emergentes impulsionarão a criação de riqueza ao mesmo nível que os consumidores dos mercados desenvolvidos" sublinha Hedrick-Wong.

"Os mercados emergentes estão destinados a liderar nos próximos anos. Isto coloca-os na vanguarda das inovações tecnológicas, igualmente. Ao fazê-lo estão a conduzir a criação de riqueza", conclui.