2135-pessoaaempurrarcarrinho620distribuicaohoje

Portugueses são os europeus que mais negoceiam preços desde a crise

Cerca de 77% dos consumidores portugueses afirmam negociar mais os preços do que há cinco anos, uma percentagem significativamente acima da média europeia (59%). Esta é a principal conclusão doObservador Cetelem do Consumo, que revela ainda que por outro lado são também os consumidores portugueses os menos propensos a fazer compras inteligentes, tais como a caça às promoções, as compras de ocasião ou o low cost.

Segundo o estudo, para além dos preços, os consumidores estão também mais atentos à qualidade e ao impacto das suas compras. Os portugueses estão entre os europeus que, desde a crise, mais atenção dão à origem e composição dos produtos: cerca de 73% contra uma média europeia que ronda os 67%. À frente de Portugal está apenas a Roménia (86%), a Itália (83%) e a República Checa (75%), onde a percentagem de inquiridos interessados em conhecer a origem dos produtos é ligeiramente superior.

“Verifica-se ainda que a preocupação com a proteção do meio ambiente é cada vez mais visível, nomeadamente no consumo e no próprio momento de compra. Cerca de 68% dos portugueses dizem dar mais atenção ao impacto ambiental dos produtos do que há cinco anos atrás, uma percentagem acima da média europeia que se situa nos 60%. Assim, Portugal encontra-se no top três de países mais preocupados com o impacto das compras no ambiente, logo a seguir à Itália (73%) e à Hungria (69%)”, indica os dados.

A mais recente edição do Barómetro Europeu revela ainda que a maioria dos portugueses (91%) confessa fazer mais compras importantes hoje do que há cinco anos. Portugal é aliás o país onde essa percentagem é maior: no resto da Europa, a média de consumidores a afirmar ter aumentado o número de compras importantes é de apenas 64%.

“Passados cinco anos desde o início da crise, nota-se uma grande evolução nas práticas de consumo dos europeus especialmente nas dos portugueses. Hoje, os consumidores estão mais atentos ao preço, o que traduz a predominância da problemática das questões orçamentais. Mas além do preço, os portugueses estão também cada vez mais preocupados com a origem dos produtos e o impacto dos mesmos no ambiente, o que revela a adoção de um comportamento de compra mais responsável”, explica Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem.