Os consumidores a nível global planeiam gastar em média 529 euros nesta época natalícia, em comparação com os 477 euros do ano passado.

Consumidores querem gastar mais no Natal e ainda preferem ‘comércio tradicional’

Os consumidores a nível global planeiam gastar em média 529 euros nesta época natalícia, em comparação com os 477 euros do ano passado, de acordo com os resultados do 15º Holiday Shopping Survey da Accenture.

Em comunicado, a consultora revela ainda que a maioria (71%) pretende gastar tanto ou mais do que no ano passado. Os millennials entre os 32 e 39 anos, que preveem gastar em média 624 euros, apresentam o valor mais elevado entre qualquer faixa etária.

O estudo da Accenture, que incluiu mais de 1.500 consumidores, destaca que 58% dos consumidores querem comprar no comércio local e a retalhistas independentes.

“Embora o aumento previsto nos gastos do consumidor seja uma boa notícia para os retalhistas, o nosso relatório indica que os eventos do ano passado, provavelmente, afetarão os hábitos de consumo de diferentes gerações neste período festivo”, afirma a vice-presidente da Accenture Portugal, Manuela Vaz, responsável pelas áreas de Retalho e Bens de Consumo.

Apesar do boom do online, mais de metade (54%) das pessoas em geral – e 70% dos consumidores da Geração Z – planeiam fazer a maior parte das suas compras de Natal em loja. Já 54% dos baby boomers preveem fazer a maior parte das compras online.

Além disso, 25% dos consumidores em geral – e 42% dos millennials mais jovens – indicam que experiências partilhadas, como aulas de culinária, cânticos natalícios ou atividades para as crianças, podem incentivá-los a escolher uma loja em detrimento de outras.

A pandemia, juntamente com as questões de abastecimento e transporte, preocupa um terço (34%) dos consumidores, que pretendem fazer antecipar as compras. Além disso, a Black Friday e a Cyber ​​Monday continuam a perder o seu interesse, contrastando a visão entre consumidor e retalho. Enquanto 22% dos consumidores planeiam fazer compras nesses dias, 42% dos executivos de retalho esperam-no.

“O declínio da popularidade da Black Friday, juntamente com o facto de que os consumidores começam cada vez mais cedo as suas compras de Natal, significa que os retalhistas e as marcas precisam de conseguir envolver os consumidores durante este período”, disse Manuela Vaz.

“Os consumidores vão redirecionar parte dos seus gastos em ofertas materiais para experiências e serviços, mas isso é mais pronunciado entre as gerações mais jovens, que são mais propensas a viajar, socializar durante o período de festas, e também a procurar e oferecer experiências”, explica ainda o estudo.