Sabe qual a maior barreira à abertura de um negócio próprio?

Sabe qual a maior barreira à abertura de um negócio próprio?

A situação económica é para 47% dos portugueses a maior barreira à abertura de um negócio próprio. A conclusão é do estudo ‘Negócio Próprio’, do Grupo Metro, que inquiriu cerca de 10 mil pessoas em dez países, incluindo Portugal.

O estudo oferece uma perspetiva sobre a atitude do público em geral em relação aos proprietários de negócios independentes, as dificuldades que enfrentam e o que pode ser feito para os ajudar a expandir os seus negócios. De acordo com Tanya Kopps, Diretora Geral da Makro Portugal, “estes resultados fornecem novas abordagens relativamente ao valor que a sociedade coloca nos negócios independentes e ajuda-nos a entender o que move e preocupa os empresários de negócios próprios. Um ponto destaca-se: há muitas pessoas que gostariam de iniciar o seu próprio negócio, mas acabam por não fazê-lo. Este estudo explica as razões para tal acontecer. Desbloquear o potencial empreendedor será apenas possível se o cenário certo for criado e o apoio necessário for proporcionado. A Metro tem este objetivo, ao mesmo tempo que segue o seu caminho no sentido de ser champion for independent business.”

Negócios próprios são valorizados

Os resultados agora divulgados mostram que, a nível global, existe uma maior propensão para favorecer e escolher negócios próprios em detrimento de empresas não independentes (31%). O principal motivo apontado é a importância para a comunidade que as pessoas atribuem a estes negócios (52%). Outros fatores incluem a qualidade dos produtos (45%) e serviços que oferecem (29%), bem como o relacionamento pessoal com os clientes. Apesar disso, 48% dos inquiridos não possuem negócios próprios, apesar de revelarem que gostariam de iniciar o seu próprio negócio.

Em Portugal, 40% dos inquiridos que prefere comprar em negócios próprios afirma que estes oferecem melhor qualidade. Para além disso, apenas alguns dos interessados em possuir um negócio próprio estão confiantes de que serão, realmente, donos de uma empresa no futuro. A nível global, embora muitos inquiridos tenham manifestado interesse em possuir um negócio próprio, apenas 13% pensa que é muito provável materializar essa ambição.

De acordo com o estudo, as maiores barreiras que as pessoas encontram quando pensam em iniciar um negócio próprio prendem-se com encontrar apoio financeiro (46%), assim como o ambiente económico instável (41%).

Em Portugal, 47% dos inquiridos que afirmam existirem barreiras que dificultam a abertura de negócios próprios, apontam para a situação económica como o principal fator que não motiva a tomada de decisão neste sentido. Importa ainda referir que, de acordo com os resultados, melhorar as condições para os negócios independentes é visto como uma questão política. Quando questionados sobre as maiores ameaças ao sucesso dos seus negócios, a maioria dos proprietários, a nível global, manifestou preocupação sobre a falta de apoio financeiro (46%), a situação económica do seu país de origem (41%), a tributação (28%), bem como a burocracia (27%).

Em Portugal, 38% dos inquiridos afirma que a atual situação económica é um constrangimento. Com uma percentagem menor (18%) apresenta-se a situação política atual.

Donos de negócios voltavam a apostar num projeto próprio

Por outro lado, apesar dos desafios que o estudo revela existirem, aqueles que possuem o seu próprio negócio são bastante positivos em relação à sua decisão de iniciar um negócio. 89% dos inquiridos tornar-se-ia um proprietário independente novamente, caso pudesse voltar atrás no tempo. Com a mesma percentagem (89%), a grande maioria dos portugueses inquiridos afirma que iniciaria novamente um negócio próprio. Ser o dono do negócio (53%), ter um negócio pelo qual é apaixonado (38%), flexibilidade para fazer outras atividades fora do trabalho (38%) e o gosto pela responsabilidade de gerir um negócio (33%) foram apontados como os principais benefícios de ter um projeto próprio, diz o estudo.