franchising de imobiliário

Franchisings de imobiliário a crescer

O setor imobiliário voltou a ser uma oportunidade e a adesão a uma rede de franchising é uma boa forma de entrar nesta área, com menos riscos. A recuperação sente-se desde o primeiro trimestre de 2013, mas o crescimento mais acentuado tem ocorrido este ano. As causas são o aumento do arrendamento e a retoma do crédito à habitação, mas o destaque vai para a compra por estrangeiros, principalmente chineses e russos.

“Apesar de ainda se fazerem notar os efeitos da crise, tem-se verificado um ajuste dos preços do imobiliário e um aumento de cidadãos não europeus que procuram os vistos de residência”, afirma o diretor de expansão para Espanha e Portugal da Engel & Völkers. “Em primeiro lugar, os cidadãos chineses e russos que têm tido um contributo notável para o crescimento do mercado imobiliário português”, adianta Ignacio Fiter.

Também o diretor-geral da Decisões e Soluções, que alargou a sua atividade ao imobiliário há três anos, assegura que a rede “tem vindo a crescer muito significativamente no número de vendas e no volume de negócios na área imobiliária, precisamente por aproveitar várias oportunidades que foram criadas no mercado nos últimos anos, nomeadamente os imóveis novos e usados da banca, que nos últimos dois anos ofereceram ao mercado excelentes oportunidades!, revela.

Do lado do arrendamento, o administrador da Arrenda na Hora, diz-nos que “o arrendamento tem cada vez mais adeptos em Portugal e isso está espelhado na média crescente de arrendamentos efetuados pelas lojas Arrenda na Hora, bem como na rapidez com que os mesmos se concretizam. Atualmente, um imóvel para arrendamento devidamente classificado e promovido não fica mais de dois meses no nosso portal”. Mas António Marques refere que neste setor o destaque vai para a “enorme evolução do mercado do arrendamento turístico, que está obviamente em franca expansão pela crescente afluência de turistas ao nosso país. Para os proprietários é percecionado como uma boa alternativa ao arrendamento tradicional”.

Redes crescem

A recuperação do mercado sente-se claramente na evolução e faturação das redes de franchising. “A rede Century 21 Portugal regista dados consistentes da recuperação do mercado imobiliário desde o segundo trimestre de 2013. As transações imobiliárias têm tido uma evolução positiva desde essa data, sendo que os dados oficiais divulgados pela Associação de Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) apontam para um crescimento superior a 20%. No caso da Century 21 Portugal, o crescimento acumulado em agosto atingiu os 33%”, diz o administrador da rede no nosso país.

Também Beatriz Rubia, CEO da RE/MAX, salienta que “o melhor exemplo dessa mesma recuperação é o nosso crescimento acumulado de 41% em faturação. (…) Outro exemplo é o facto de termos assinado 24 novos contratos de franchising nos primeiros seis meses do ano”.

O bom momento do mercado sente-se também nas cadeias mais pequenas, como a Soluções Ideais (que tem dez agências e três promotores). “Sentimos a recuperação desde o primeiro trimestre do ano. No primeiro e segundo trimestres crescemos aproximadamente 30% no volume de vendas, comparativamente ao ano anterior”, diz à NEGÓCIOS & FRANCHISING, Rui Guedes, diretor-geral da marca.

A rede francesa Optimhome, que chegou recentemente ao mercado português e que tem a particularidade de não ter lojas, sente igualmente a melhoria, como refere a diretora de desenvolvimento em Portugal, Helena Pedras: “o número de comerciais tem aumentado de forma muito satisfatória e contamos com cerca de 80 profissionais atualmente espalhados pelo País”.

Veja a reportagem completa na edição de outubro/novembro da revista Negócios & Franchising.

Gostou deste artigo?

Se pretende ler mais artigos sobre franchising, empreendedorismo e gestão, subscreva a nossa newsletter aqui

(Visited 26 times, 1 visits today)