Serviços para particulares

Serviços para particulares: conheça as marcas que mais crescem

Das 10 marcas que integram o top 10 das maiores marcas a operar em Portugal no setor dos serviços para particulares, em regime de franchising, cinco operam no ramo imobiliário e nos serviços ligados às obras de melhoramento das casas e à gestão de condomínios.

A navegar esta onda estão as imobiliárias, com a Re/Max e a Century 21 Portugal a destacarem-se neste top 10 dos serviços para particulares. Mas não só. A crescente procura de casa, bem como a manutenção, por mais tempo, nas casas que actualmente se ocupam – até pela forte subida dos preços, que faz com que se adie a compra de uma nova – também têm feito crescer o negócio da Querido Mudei a Casa – Obras e da Melom Obras, bem como da Loja do Condomínio.

No entender de Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal, o aspeto fundamental para o sucesso passa pela capacidade de compreender as necessidades do mercado e adaptar a operação em função das suas diferentes dinâmicas e tendências. “Com a evolução da tecnologia e o surgimento de novos modelos de negócio, que procuram facilitar a vida das pessoas e simplificar as transacções, o grande desafio que se coloca é como manter um serviço valorizado e procurado pelos consumidores. E é neste ponto que concentramos a nossa estratégia de abordagem, para garantir que continuamos a liderar a inovação e a oferecer um serviço de valor acrescentado a todos os que procuram comprar, vender ou arrendar um imóvel”, sublinha.

No que respeita às marcas Melom Obras e Querido Mudei a Casa – Obras, redes de serviços de reparação, remodelação e manutenção geral de imóveis criadas a pensar nos profissionais ligados ao setor da construção civil, o seu director-geral, João Carvalho, aponta igualmente registos positivos.

Sobre a Melom Obras, “na área em que atuamos, registámos um aumento exponencial da procura, com mais pedidos de obra por parte dos consumidores portugueses”, diz aquele responsável. “Creio que esta tendência ainda é crescente e revela que os portugueses mantêm por maior tempo as suas habitações, optando pela remodelação das mesmas ao invés da compra de uma nova casa”, acrescenta.

Já no que se refere à Querido Mudei a Casa – Obras, João Carvalho salienta que esta “tem uma notoriedade fantástica” e que se apresenta “como uma marca que descomplica o universo das obras”. “Esse é, aliás, o mood que verificamos no programa televisivo, obras com um ambiente descontraído onde no final tudo fica conforme detalhado e idealizado pelo decorador. É precisamente isto que fazemos na vida real com a insígnia Querido Mudei a Casa: obras com transparência e descomplicadas”, refere o director-geral, dizendo crer que essa é a razão principal para a marca ter crescido tão rapidamente.

Ainda no tocante às casas, mas na área da gestão de condomínios, temos a Loja do Condomínio (LDC) a marcar uma vez mais presença neste ranking. Paulo Antunes, presidente executivo da Franquiger, que gere a rede de franchising LDC, destaca que a atividade desta marca tem sido pautada pelo crescimento consistente ao longo dos seus 15 anos de existência e que “2017 foi mais um ano nessa trajectória, permitindo níveis de rentabilidade muito positivos para os nossos franchisados, o que se traduz numa forte estabilidade da rede”.

Adaptabilidade, personalização e resiliência são palavras-chave

Saindo da esfera das casas, as empresas ligadas ao ramo automóvel continuam também a sobressair nos serviços para particulares. É o caso da Bosch Car Service, rede de oficinas promovida pelo Grupo Bosch.

E, neste caso, adaptabilidade é uma característica a não perder de vista, a par com inovação e flexibilidade.

“A adaptabilidade à mudança e a capacidade para servir e ser escolhido por um cliente cada vez mais poderoso é fulcral. Avaliar e reconhecer o mercado, adaptar-se e oferecer soluções segmentadas que correspondam às suas necessidades e desejos é o que se requer das empresas”, explica Raquel Marinho,  responsável da rede Bosch Car Service em Portugal.

“Vivemos tempos de grandes desafios, porque temos de pensar de forma cada vez mais inovadora e ser flexíveis e aceitar que a capacidade de mudar e adaptar-se são factores chave das empresas de futuro. No fim, todos nós servimos pessoas, pessoas essas que também estão a mudar e cada nova geração está a chegar mais rápido e com novas perspetivas do mundo”, acrescenta.

E a Cort&Cose segue a mesma linha de pensamento, tendo a personalização como um dos seus grandes trunfos. Marco Cândido, gestor da unidade de negócio da Bizmaster – business solutions, empresa que detém a marca Cort&Cose, destaca que “o nosso lema, tal como o nosso logo indica, passa pela personalização do serviço global, tratando o cliente como se de um amigo ou familiar se tratasse. Esta aproximação catapulta-nos para níveis de fidelização apenas alcançadas em marcas com muitos anos de mercado”.

Por outro lado, “estamos, cada vez mais, presentes em localizações de conveniência premium, onde claramente o cliente valoriza e utiliza os nossos serviços”. Depois, “a nossa constante preocupação em melhorar faz o resto”, remata Marco Cândido.

Já Ricardo Sousa aponta a resiliência nas relações como um dos “segredos” para o sucesso. “Resiliência e foco nas relações. Com uma economia forte e um setor muito dinâmico, como é o caso do imobiliário atualmente, é normal que surjam novas marcas para aproveitar este momento do mercado. O setor imobiliário é complexo e muito competitivo, e a Century 21 Portugal destaca-se pela aposta que realiza na notoriedade de marca, nos sistemas de trabalho em permanente atualização e nas estruturas de apoio adaptadas à maturidade de cada empresa”.

Setor de vento em popa!

Na opinião de Marco Cândido, reúnem-se cada vez mais condições excecionais para a evolução qualitativa e quantitativa dos serviços a particulares, “nomeadamente os tradicionais, insubstituíveis, porque não automatizáveis”.

“Este tipo de serviços é quase como que um ‘bem’ de primeira necessidade, sendo que o aumento de conhecimento por parte dos consumidores dos grandes núcleos populacionais apenas torna ainda mais apetecível a formação de empresas destas atividades, assim como o aumento do recurso às mesmas por parte dos consumidores. Prevê-se pois que, a este nível, surjam novas marcas e novos conceitos de entregar/distribuir serviços”, considera.

Já o CEO da Loja do Condomínio está convicto de que o setor dos serviços para particulares “tem todas as condições para crescer com a melhoria das condições económicas das famílias”. “No caso da LDC, ocupamos um nicho desse setor intrinsecamente ligado à habitação, onde se verifica uma cada vez maior procura por serviços profissionais, muito associada à necessidade de manutenção dos edifícios”, explica.

O ranking

Os ramos do imobiliário/casa e automóvel destacam-se no top 10 do ranking dos serviços para particulares relativo ao primeiro semestre de 2017.

Das 10 empresas que compõem esta tabela, cinco são de origem portuguesa: LDC, Melom, Querido, NewCar e Cort&Cose.

A liderar o ranking está a norte-americana Re/Max, subindo assim uma posição face ao ano precedente e contando com 250 unidades, todas elas franchisadas. Também no ramo imobiliário, a Century 21 Portugal (a casa-mãe tem origem nos EUA) manteve o quarto lugar, com 103 unidades (todas franchisadas).

A cadeia francesa de lavandarias e arranjos 5àSec, presente em Portugal desde 1990, desceu do primeiro para o segundo lugar da lista, com 212 unidades (198 das quais franchisadas).

Já a Bosch Car Service, empresa da esfera do grupo alemão Bosch, que se estreou neste ranking em 2015 na terceira posição e que a manteve em 2016, voltou a garanti-la em 2017 com 142 unidades, todas elas franchisadas.

Por seu turno, a Melom Obras desceu uma posição, passando do quinto para o sexto lugar da tabela, com 75 unidades franchisadas. Já a Querido Mudei a Casa – Obras, insígnia inserida no universo da Melom, passou da sétima para a quinta posição do ranking, com 84 unidades em regime de franchising.

A Loja do Condomínio, por sua vez, passou da sexta para a sétima posição, com 73 unidades, todas elas franchisadas.

Destaque ainda para a espanhola Halcon, que com 54 unidades (53 franchisadas) manteve a oitava posição, sendo que a Cort&Cose [serviço de arranjos em vestuário e têxtil do lar] conservou o nono lugar com 54 unidades, 53 das quais em regime de franchising.

A finalizar a tabela das 10 maiores redes de frachising a operar no setor dos serviços para particulares manteve-se a NewCar, com 51 unidades, todas franchisadas.

(Visited 341 times, 2 visits today)