Wine with a View: vista a copo

Wine with a View: vista a copo

Combinando turismo e enologia, a Wine With a View criou um negócio original que opera em franchising.

Quantas vezes já não lhe apeteceu um copo de vinho enquanto desfrutava de uma paisagem magnífica? Foi exatamente esta ideia que levou Bárbara Vidal a criar uma empresa cujo nome revela logo o seu conceito: a Wine With a View (algo como Vinho com Vista, numa tradução livre).

Criada em 2014, a empresa estreou-se com duas unidades próprias em Lisboa, ou melhor, com duas motas tricarro Famel dos anos 1960, uma no Castelo de São Jorge e outra junto à Torre de Belém. Estes pequenos veículos são uma parte intrínseca do conceito da marca: “Esta ideia surgiu através da constatação da importância que os viajantes atribuem ao vinho português, considerando-o como único no mercado, por isso implementámos um conceito de negócio móvel que permita a criação de uma experiência verdadeiramente única – beber um copo de vinho excecional, desfrutando de uma vista magnífica”, disse a fundadora da Wine With a View, que já tinha estudado outros conceitos de street food para os quais não avançou devido à sua baixa rentabilidade e logística complexa. Foi a conjugação “de uma variedade de vinhos de todo o país com a vista sobre a cidade e um atendimento muito cuidado” que acabou por ser a fórmula de sucesso da empresa.

Para além disso, outro dos pontos-chave deste conceito é, sem dúvida, o local de implementação: “É indissociável do conceito a procura dos melhores ‘spots’ turísticos, que ofereçam uma vista privilegiada sobre os mais belos locais de interesse do nosso país”, salienta Bárbara Vidal.

A marca oficializou em 2015 as suas pretensões de expansão em franchising e, como já contava com duas unidades em Lisboa, as áreas preferenciais foram outros pontos turísticos do país, como o Porto, Algarve, Sintra, Óbidos e Guimarães. Acima de tudo, frisa a fundadora da Wine With a View, a marca pretende manter o seu posicionamento enquanto marca de qualidade, e por isso pretende ser criteriosa não só em relação aos parceiros escolhidos, mas também quanto às localizações de negócio.

 Modelo chave na mão

As duas primeiras unidades em funcionamento tiveram o retorno do investimento em apenas dois meses após o início da atividade, mas a marca assume que é um pouco mais conservadora em relação a prazos concretos para os franchisados. “O retorno do investimento irá sempre depender da localização, da data de abertura, da afluência de viajantes e do espírito e iniciativa comercial dos franchisados, sendo que poderão recuperar rapidamente o investimento se aliarem positivamente todos os fatores mencionados”, garante Bárbara Vidal. O volume de negócios pode atingir os 100 mil anos no primeiro ano, e a rede estima que continue a crescer “sustentavelmente” nos próximos anos. Já o investimento inicial é de €22 500 (incluindo direitos de entrada), com royalties de 5% sobre o volume de faturação e uma taxa de publicidade de 1,5% sobre o volume de vendas mensal. Este é um modelo de negócio chave na mão, não só ao nível da unidade móvel onde decorrem as vendas, mas também de elementos de comunicação e software/hardware.

Para além disso, os franchisados vão contar com o controlo continuado do franchisador sobre a evolução das condições e exigências do mercado, estratégia comercial, campanhas de marketing centralizadas, formação e benefícios nas economias de escala da rede. Por seu lado, a Wine With a View procura empreendedores “com um perfil empático, simpático e que se adaptem quer ao setor das vendas e comercialização, como também à aquisição e transmissão do conhecimento (…) na área dos vinhos”, refere Bárbara Vidal. Outro fator fundamental, acrescenta, é ser alguém muito direcionado para a atenção e satisfação das necessidades do cliente.

Gostou deste artigo?

Se pretende ler mais artigos sobre franchising, empreendedorismo e gestão, subscreva a nossa newsletter aqui