Franchisados norte-americanos querem reforma fiscal

Embora as previsões apontem que a expansão do franchising deverá continuar em 2014 nos Estados Unidos da América, um novo estudo de Associação Internacional de Franchise revela que uma reforma fiscal faria o setor crescer ainda mais.

O relatório “Franchise Business Economic Outlook” prevê que os negócios em franchising criem cerca de 200 000 postos de trabalho nos Estados Unidos da América no decorrer do ano de 2014 e que sejam criados cerca de 13 000 novos negócios neste modelo.

Entre os inquiridos, 75% dos franchisadores acredita que o negócio vai melhorar este ano, mas para os franchisados, as perspetivas são diferentes. Apenas 31% dos franchisados acreditam que o seu negócio vai melhorar em 2014 e mais de metade revelou que tem intenções de reduzir o número de trabalhadores a tempo inteiro devido à elevada carga fiscal no país.

De acordo com a Associação Internacional de Franchise, uma reforma fiscal iria melhorar tanto as perspetivas dos franchisados como dos franchisadores. “Emendar o nosso código fiscal para que seja mais simples e mais justo é crítico para que consigamos atingir os nossos objetivos  e para que possamos criar postos de trabalho”, refere o relatório.

Segundo o relatório, nove em cada dez franchisados e franchisadores são a favor de uma reforma fiscal que torne o código fiscal mais simples e com taxas mais baixas. “Tendo em conta que os pequenos negócios criam cerca de dois terços dos novos empregos nos Estados Unidos da América, qualquer reforma fiscal deverá focar-se tanto nos impostos individuais como nos impostos das empresas de forma a dar a possibilidade aos pequenos negócios em franchising de ajudarem a recuperar a economia norte-americana”, conclui o relatório.