Ginásios inovam para contornar quebras

/images/textoimagens/fullsize/3224.jpg  Como se a crise não bastasse, o aumento do IVA de 6% para 23% desferiu um duro golpe no setor provocando quebras de 25%. Para travar a descida das receitas os ginásios apostam na inovação.

O presidente da Associação Nacional de Academias e Ginásios (AGAP), José Luís Costa, defende que "o modelo de gestão dos ginásios portugueses está esgotado e é preciso inovar para fazer face à quebra de receitas, diminuição de clientes e ameaças oriundas da crise, como o IVA".

A afirmação surge em jeito de conclusão após os seminários Management Innovation, organizados pela AGAP em maio nas cidades do Porto, Lisboa e Albufeira, e que tiveram a participação de mais de 200 sócios e empresários.

Constance Ruiz, presidente da Vivafit, contou à NEGÓCIOS&FRANCHISING que no seminário de Lisboa se "falou da necessidade de todo o staff contribuir para o sucesso e para as vendas nos ginásios. Falámos principalmente sobre a boa gestão de um ginásio". A responsável adianta que "foi feita, pela AGAP, uma boa análise SWOT da indústria de fitness em Portugal".

A iniciativa proporcionou uma perspetiva inovadora que permitirá melhorar o funcionamento e a rentabilidade das empresas do setor, considera José Luís Costa.

Os ginásios, apesar da crise económica e financeira que atravessam, devem aproveitar para redefinir o seu posicionamento de mercado e o modelo de gestão de forma a estarem mais profissionalizados, afirma o dirigente que adianta que os caminhos traçados nos seminários apontam a necessidade de uma nova visão estratégica, diferenciação face à concorrência, melhor gestão e eficiência nos custos e aposta na inovação e tecnologia.

Para José Luís Costa, "temos realmente que mudar porque os números não mentem: ginásios a fecharem semanalmente, quebras de 25% de clientes, pessoal no desemprego e outros dados negativos. Há que mudar para reposicionar e potenciar o setor, a bem da atividade física e bem-estar da população".

 

Novos programas e mais descontos

 

A presidente da Vivafit diz, por seu lado, que a marca está "com menos vendas, embora um terço de rede continue a vender bem, um terço esteja a manter e um terço a baixar. Tanto a queda do consumo como o aumento do IVA, de 6% para 23%, estão a impactar o nosso negócio".

Para travar ou mesmo inverter as quebras a marca nacional de ginásios só para mulheres tomou várias medidas, explica Constance Ruiz: "um programa de retenção de clientes com descontos crescentes (até 40%) em função da utilização – ‘Quem mais treina mais Poupa' -; subimos o preço para as novas sócias e também oferecemos três sessões em vez de duas no passado. Foram ainda lançados novos programas com treinos de preparação para o verão; formação para a rede, para poder prestar um melhor serviço, focado nos resultados das sócias; e mais recentemente um programa inovador que combina exercício e alimentação saudável (VivafitResults)".

A AGAP é a única associação portuguesa que representa ginásios e health clubs (fitness), conta com 775 ginásios associados, 17 patrocinadores e está filiada nas duas maiores organizações internacionais.

(Visited 24 times, 1 visits today)