As insolvências de empresas, em Portugal, registaram uma diminuição de 22% em novembro face ao período homólogo, com um total de 511 empresas a declararem-se insolventes.

Insolvências caem 22% em novembro

As insolvências de empresas, em Portugal, registaram uma diminuição de 22% em novembro face ao período homólogo, com um total de 511 empresas a declararem-se insolventes. A conclusão é de um estudo da Crédito y Caución, que indica que no acumulado de 2018, as insolvências caíram 5,6% em relação a igual período de 2017, num total de 5461 insolvências.

“As declarações de insolvência requeridas diminuem 3,6% face a 2017, enquanto as apresentações à insolvência pelas próprias empresas baixam 8,5%. Os encerramentos com plano de insolvência diminuem 34,6% e as declarações de insolvência apresentam uma redução de 4,2%”, diz ainda o estudo.

Lisboa e Porto continuam a ser os distritos com mais insolvências, com 1466 e 1288 registos, respetivamente, apesar de em Lisboa se ter registado uma quebra de 7,4% no número de insolvências.

A Indústria Extrativa (58,3%), o Comércio Grosssita (6,8%) e a Agricultura, Caça e Pesca (1,3%) são os setores com maiores aumentos no número de insolvências.

Continuam a nascer novas empresas em Portugal

Por outro lado, o número de constituições de novas empresas também cresceu em novembro, para 3649, mais 298 empresas do que no período homólogo (+8,9%). Verifica-se também um aumento de 10,3% no acumulado relativamente ao ano transato, com um total de 41645 constituições.

Lisboa – com 14586 novas empresas – é o distrito com mais constituições e registou um aumento de 14,7% relativamente a 2017. O Porto ocupa a segunda posição, com 7463 empresas e um crescimento de 12,5%. O distrito de Setúbal com 3122 empresas preenche o terceiro lugar do pódio nacional e consegue o maior crescimento, mais 20,5% em termos homólogos.

Os setores com mais ‘nascimentos’ de empresas foram Transportes (aumento de  62,7%), Indústria Extrativa (35%), Construções e Obras Públicas (19,2%), Comércio de veículos (13,2%) e Outros Serviços (13,1%).

Gostou deste artigo?

Se pretende ler mais artigos sobre franchising, empreendedorismo e gestão, subscreva a nossa newsletter aqui