Insolvências sobem 2% em maio, indica estudo

Insolvências sobem 2% em maio, indica estudo

O número total de ações de insolvência em maio aumentou 2% face ao período homólogo de 2018. A constituição de novas empresas teve um acréscimo de 3,6% no período e de quase 14% no total do ano, avançam os dados mais recentes da Iberinform, filial da Crédito y Caución.

O número total de ações de insolvência em maio evoluiu de 588 em 2018 para 600 em 2019 (acréscimo de 2%). No entanto, o subtotal até final de maio é inferior ao de 2018 com 2.474 insolvências, menos 2,6% que em 2018.

A análise por tipologia explica os valores já que apenas a ação de Declaração de Insolvência (ou encerramento de processo) apresenta uma subida de 19,7% face a 2018 (evolui de um total de 1.196 processos concluídos para 1.432). Todas as restantes ações apresentam decréscimos face ao ano passado: as Declarações Insolvência Requeridas (DIR) diminuíram 20,8%, as Declarações de Insolvência Apresentada (DIA) pelas próprias empresas baixaram 22,9% e os encerramentos com Plano de Insolvência (PI) diminuíram 44,7%.

Porto e Lisboa são os distritos com mais insolvências, 624 e 523 respetivamente. Enquanto Lisboa apresenta uma substancial descida de 30,5% em relação a 2018, o Porto tem um aumento de 14,5%. No entanto, os maiores aumentos registaram-se nos distritos de: Horta (300%), Braga (50%), Aveiro (23,9%) e Faro (17,3%). Os decréscimos mais acentuados verificaram-se em: Vila Real (-58,1%), Castelo Branco (-35%), Évora (-31%) e na capital.

Insolvências sobem 2% em maio enquanto as constituições crescem 3,6%Do total de distritos, 45,4% apresentaram uma diminuição nas insolvências, 41% aumentaram os totais face a 2018 e 13,6% mantiveram idêntico valor (Viana do Castelo com 37 insolvências, Ponta Delgada com 14 e Angra do Heroísmo com nove). Os distritos com diminuição representam 36,2% do total de insolvências, enquanto os distritos com aumentos assumem uma fatia de 60,8%. Os distritos sem alteração representam apenas 2,4% do total de insolvências nos primeiros cinco meses de 2019.

Houve diminuição nas insolvências nos setores de: Eletricidade, Gás, Água (-66,7%), Indústria Extrativa (-40%), Outros Serviços (-18,2%), Comércio por Grosso (-11,8%), Comércio de Veículos (-9,7%) e Comércio a Retalho (-8,1%). Os aumentos sentiram-se nas atividades de Telecomunicações (+100%), Indústria Transformadora (+24,3%) Transportes (+16,8%), Agricultura, Caça e Pesca (+16,7%) e Hotelaria e Restauração (+6,9%).

Surgiram 4.045 novas empresas em maio
A constituição de empresas registou um aumento de 3,6% em maio, evoluindo de 3.906 novas empresas em 2018 para 4.045 em 2019. No acumulado verifica-se também um acréscimo, mas de dois dígitos: de 21.120 novas empresas em 2018 para 24.050 em 2019, ou seja, mais 13,9%.

O número mais significativo de constituições pertence ao distrito de Lisboa com 7.728 novas empresas (aumento de 6,8%). O Porto também apresenta um valor elevado, 4.384 empresas (crescimento de 17,9%). O distrito de Setúbal ocupa a terceira posição em termos absolutos com 1.872 empresas e um aumento de 20,3%. Os maiores aumentos foram registados nos distritos de: Horta (85,7%), Bragança (44,4%) e Castelo Branco (33,6%). Não houve descidas face a 2018 em nenhum distrito.

Os setores com maior variação foram: Transportes (aumento de 128,3%), Eletricidade, Gás, Água (44,2%), Construções e Obras Públicas (38,8%), Indústria Extrativa (37,5%), Agricultura, Caça e Pesca (19,8%), Indústria Transformadora (12,2%) e Comércio a Retalho (12%). Apenas o setor das Telecomunicações teve uma variação negativa (-6%).