Low-Cost. Come vai para Espanha

Low-Cost. Come vai para Espanha

A proposta surgiu depois do fundador da marca, Paulo Costa, ter ido ao programa Shark Tank para pedir 350 000 euros por 25% da Low-Cost.Come Internacional, pedido que nenhum dos tubarões agarrou.

“Acreditamos verdadeiramente no potencial de expansão desta marca e neste modelo de negócio”, revelou João Champalimaud à Lusa. “Aquilo que foi feito em Portugal com a Low-Cost.Come nos últimos três anos e pouco, com a conjuntura existente, tem muito mérito.”

Pedro Passanha justifica o início da internacionalização em Espanha com “os hábitos e costumes dos nossos ‘vizinhos’ estão em perfeita sintonia com aquilo que é o nosso conceito. Não temos dúvidas de que tanto a padaria como a pastelaria portuguesas são cobiçadas pelo povo espanhol.”

A loja de Madrid funcionará como loja-piloto e trata-se de uma unidade própria que pretende avaliar a adaptação dos espanhóis ao conceito nacional. Já os preços, serão mais elevados do que os praticados em Portugal, até “porque lá os salários e o aluguer das lojas custam mais do dobro do que em Portugal”, segundo Paulo Costa.

Depois de Madrid, deverá seguir-se Barcelona. “A curto prazo, queremos abrir três a quatro lojas próprias e criar 35 postos de trabalho diretos; posteriormente, iniciaremos o modelo de franchising”, revelou à Lusa.