Mercado de arrendamento recupera

De acordo com o Portuguese Housing Market Survey, os sinais de enfraquecimento da atividade no mercado de arrendamento habitacional referentes ao mês de abril não se confirmaram em maio. Tanto a procura como a oferta de imóveis para arrendamento continua em crescimento.

Apesar do crescimento da procura e da oferta, as rendas continuam a cair, fenómeno que se deve verificar também nos próximos meses.Este padrão de uma atividade de arrendamento crescente acompanhada de uma queda das rendas tem sido visível nas três regiões abrangidas pelo inquérito, nomeadamente, Lisboa, Porto e Algarve.

No mercado de compra e venda de habitação, os resultados de maio do PHMS não apresentaram grandes melhorias, embora tenham reforçado a impressão de uma dinâmica de mercado menos negativa. Neste mercado, o saldo de resposta relativo a preços melhorou de -45 para -35, isto é , mais 35% dos respondentes reportou quedas em vez de aumentos de preços. Apesar de ser um resultado negativo, é o menos acentuado desde que o inquérito foi lançado em setembro de 2010. Entretanto, o índice nacional de confiança manteve-se em -17, embora este seja o melhor resultado que o indicador apresentou desde outubro de 2010.

Hugo Vilas Boas, Diretor Executivo da Plano-B, disse à NEGÓCIOS & FRANCHISING que “o mercado de arrendamento realmente não mostra sinais de abrandamento. A necessidade de habitação mantém-se. A forma como podemos obter essa habitação é que mudou!”.

O empresário disse ainda que “todas as limitações impostas pela banca à aquisição de imóveis influenciaram negativamente o mercado imobiliário em Portugal, mas devido à contínua necessidade de habitação, este facto potenciou e alavancou o mercado de Arrendamento e Gestão de Arrendamento no nosso país.”

O mercado do arrendamento, “não mostra sinais de abrandamento, pelo contrário, está em franco crescimento, pois as soluções apresentadas pelos profissionais da Mediação Imobiliária, são cada vez mais especificas para este mercado”, concluiu Hugo Vilas Boas.

Nuno Morais Cardoso, Diretor Geral da GesARRENDA, por sua vez, disse à NEGÓCIOS & FRANCHISING que a marca “continua a crescer a um bom ritmo apesar da crise”.

“No que concerne a encontrar inquilino para os imóveis em gestão, diretamente ou com ajuda de parceiros, os nossos números estão bastante abaixo das médias reportadas pelos estudos mais recentes. A média nacional ronda os 4 meses e meio e na GesARRENDA baixa para 1 mês e meio.”

A GesARRENDA atingiu em junho 10 franquias em funcionamento, com a abertura de cinco novas unidades em Leiria, Porto, Benfica, Cascais e Parque das Nações.