Mercado mundial do luxo conta com 10 milhões de novos consumidores todos os anos

Os produtos e serviços para as classes A e B de consumidores estiveram em debate no Retail’s Big Show, evento promovido pela National Retail Federation nos EUA. Este ano, a organização revelou que o mercado mundial de luxo vê todos os anos o seu número de consumidores a crescer em 10 milhões de pessoas.

De acordo com a revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Ken Nisch, presidente da consultora de retalho JGA, referiu no evento que é preciso prestar atenção à nova geração de ‘Henrys’, os High Earners Not Rich Yet, pessoas com salários elevados, mas que ainda não são ricas. “São esses novos consumidores que vão determinar os caminhos do mercado nos próximos cinco anos”, acredita o especialista.

Segundo Ken Nisch, para vingar no mercado de luxo, as marcas devem preocupar-se com cinco fatores: personalização, autenticidade, aconselhamento especializado, funcionalidade e bem-estar.

Para o consultor, as marcas de luxo devem conseguir criar uma relação personalizada com o cliente e oferecer produtos autênticos e com uma história. O especialista acredita que uma marca ou serviço de luxo bem-sucedido deve oferecer aos seus clientes informação especializada, especialmente no ponto de venda, e deve ser funcional. “As marcas de luxo não se resumem a status. Muitas já estão a produzir artigos que têm uma clara utilidade na vida do consumidor”, explica.

Ken Nisch acredita ainda que uma das tendências e fatores para vingar no segmento de luxo é o bem-estar, que já é considerado um sinónimo de luxo.