Nasceram mais de 21 mil empresas em Portugal no primeiro semestre

21 094 foi o número de novas empresas que foram criadas em Portugal nos primeiros seis meses do ano, um crescimento de 11,9% face ao período homólogo. Os dados são da Ignios, citados esta semana pelo Observador, e revelam que se trata de um novo máximo face aos últimos dois anos.

Segundo os dados, no primeiro semestre do ano, a categoria ‘outros serviços’ foi a que mais cresceu em número de empresas criadas, com a criação de um total de 8579 novas empresas, mais 14,6% face a 2014.

Logo a seguir, surge a ‘hotelaria e restauração’, que cresceu 18,8% para 2491 novas empresas, a ‘agricultura’, que cresceu 16,1% para 1153 novas empresas e o ‘comércio a retalho’, com mais 10,1% face a 2014 e com um total de 2624 novas empresas.

Lisboa continua a ser onde se criam mais empresas

A capital nacional permanece a cidade onde mais empresas se fundam. No período em análise, Lisboa arrecadou uma fatia de 28% dos nascimentos de empresas, uma ligeira quebra face a 2014. Logo a seguir ficam o Porto (18,5%), Braga (8,2%), Setúbal (6,2%) e Aveiro (5,9%).

De acordo com os dados da Ignios, e no que diz respeito às insolvências, o número manteve-se em linha com o período homólogo.

4147 empresas declararam-se insolventes e as construtoras lideraram, com 725 empresas do setor a falir, ainda assim menos 3,8% em relação a 2014.Os comércio grossista e a retalho também viram o número de insolvências cair 4,7% e 1,6%, respetivamente, com cerca de 485 empresas a declararem falência.

Por outro lado, o setor do vestuário cresceu neste campo, com 164 empresas a declararem-se insolventes, um crescimento de 26,2%.