Para onde vai o mercado do franchising?

Nos primeiros meses do ano pudemos assistir ao nascimento de alguns novos conceitos em franchising, tendências que permitem antever o ritmo do setor para este ano. De acordo com a revista Emprendedores, agora que o terceiro trimestre terminou, já é possível prever que o setor continuará a ser marcado pelo ‘low cost’.

Pablo Gutiérrez, da Franquicia Consulting, explicou à revista que os últimos meses foram dominados pela aparição de modelos de negócio “em setores como a saúde e a estética, por exemplo, com centros de electroestimulação.”

Já as lavandarias self-service voltam a ser apontadas como uma das tendências do ano, assim como os modelos de retalho que se regem por uma estratégia de preços competitivos.

Miguel Ángel Oroquieta, da T4 Franquicias, revela também à mesma publicação que na sua perceção, os setores com mais crescimento nos primeiros três meses de 2015 foram “a beleza e a estética, as perfumarias de marca branca, os ginásios low cost e os conceitos de produtos gourmet.”

De acordo com a revista, a imobiliária, que até aqui estava a ser “afetada pela crise”, no mercado espanhol, parece estar a recuperar, ainda que de forma tímida, o que permite antever boas performances este ano.

Investimentos são cada vez menores

A Emprendedores explica também que a maioria das marcas de franchising estão a optar por fazer ajustes ao investimentos exigidos aos empreendedores que procuram cada vez mais soluções de autoemprego ‘baratas’. O objetivo é tornar mais acessíveis os investimentos, conseguindo ainda assim expandir o negócio.

Xavier Vallhonrat, presidente da Associação Espanhola de Franchising, refere à publicação que este fenómeno observa-se também ao nível da gestão. “Algumas marcas estão a apostar na gestão própria das franquias, sobretudo devido ao cenário económico.”