Portugueses mais preocupados com o impacto ambiental do consumo

Os portugueses estão entre os europeus que, desde a crise, mais atenção prestam ao impacto ambiental das suas compras. A conclusão é do Observador Cetelem, que revela que são cerca de 68% os portugueses que manifestam essa preocupação, uma percentagem acima da média europeia (60%).

De acordo com o estudo, a origem dos produtos é também cada vez mais tida em consideração, com cerca de 73% dos consumidores portugueses inquiridos a manifestarem essa preocupação.

“De uma forma global, os consumidores estão cada vez mais atentos à qualidade e ao impacto das suas compras. Atualmente, o impacto ambiental do consumo é um fator a que prestam atenção cerca de seis em cada dez europeus e mesmo 65% a 75% dos franceses, portugueses, húngaros, italianos e romenos. As mulheres são um pouco mais sensíveis do que os homens (63% contra 57% de homens), mas sem diferenças no que toca a faixas etárias”, revela o documento.

Os portugueses estão também entre os europeus que, desde a crise, mais atenção dão à origem e composição dos produtos. Segundo o estudo, cerca de 73% dos consumidores nacionais têm essa preocupação. À frente de Portugal está apenas a Roménia (86%), a Itália (83%) e a República Checa (75%), onde a percentagem de inquiridos interessados em conhecer a origem dos produtos é ligeiramente superior.

Esta preocupação traduz-se, segundo o Observador Cetelem, na escolha de produtos “livres de”, como confirmado pelo aumento do consumo de produtos biológicos, seja em produtos alimentares, em cosméticos ou em vestuário de algodão orgânico.

“Nos últimos anos, a procura de produtos não poluentes e naturais tem-se afirmado como verdadeira tendência de consumo que se revela muito positiva para a proteção do meio ambiente e conservação das espécies. Os portugueses estão cada vez mais preocupados com a origem dos produtos e com o impacto que os mesmos possam ter no ambiente. Isto traduz-se na adoção de comportamentos de compra mais responsáveis e conscientes, que colocam Portugal à frente da média europeia”, explica Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem.