Saiba ler as letras pequenas dos contratos de franchising

Uma das coisas que mais ‘assusta’ novos empresários a explorarem a ideia de abrirem um negócio em franchising são os objetivos de vendas impostos por muitas marcas. De acordo com a Entrepreneur, estes objetivos são “uma força invisível, no entanto poderosa, que o forçam os empresários a sair da sua zona de conforto e vender”.

Joel Libava, do The Franchise King, explica à revista que proprietários de unidades de marcas de franchising têm muitas vezes objetivos de vendas que lhes são impostos pelo franchisador e que devem cumprir. “Alguns acordos de franchising, aqueles documentos legais com mais de 30 páginas convenientemente escritos em ‘legalês’, têm objetivos de vendas que o franchisado deve atingir”, explica.

Para além disso, “o franchisador têm muitas vezes o poder de terminar um contrato com um franchisado se este não operar de acordo com o negociado inicialmente, o que inclui os objetivos de vendas, os royalties ou outras especificações.” Contudo, o especialista diz que isso não é razão para que fuja a sete pés do franchising.

“A verdade é que os franchisadores não querem ter que terminar contratos. Os custos legais podem ser bastante elevados, para além disso, um fecho é má publicidade”, defende.

O especialista aconselha os novos empresários a serem cuidadosos na negociação do contrato de franchising e a perguntarem sempre ao franchisador o quão agressivo é na negociação dos objetivos de vendas. “Essa é uma forma de garantir que não terá surpresas”, aconselha.