Startups portuguesas revelam crescimento acelerado

Foi apresentado na passada semana o primeiro estudo da Startup Europe Partnership (SEP) e da Microsoft Portugal sobre o ecossistema nacional de startups tecnológicas e de scaleups, empresas que já angariaram mais de 1 milhão de dólares de financiamento, cujos resultados mostram que o setor das startups tem revelado um crescimento acelerado no mercado nacional.

Caroline Phillips, diretora da área de apoio ao empreendedorismo e desenvolvimento da Microsoft Portugal, diz num comunicado citado pelo Observador que “as scaleups portuguesas se estão a transformar em empresas capazes de competir à escala mundial.”

O estudo analisou um total de 40 scaleups nacionais que no seu conjunto já angariaram cerca de 156 milhões de euros, o que mostra que o país está  “a marcar fortemente o seu território no mapa europeu de startups, com uma comunidade de empreendedores capazes de produzir resultados tangíveis”, segundo a Microsoft.

De acordo com o Observador, “30 das 40 scaleups portuguesas nasceram depois de 2010 e quase metade (48‰) não foram fundadas antes do ano de 2012. Outro dos fatores que sublinha o desempenho do setor é a dimensão da economia portuguesa e do mercado interno: o produto interno bruto (PIB) português é 16 vezes menor que o alemão, 12 vezes inferior ao inglês e ao francês, nove vezes menor que o italiano e seis vezes inferior ao espanhol.”

As scaleups nacionais mostram ainda um elevado potencial para a internacionalização, de acordo com o estudo. A maioria nasceu de facto em Portugal, mas o crescimento arrancou fora de portas, com o financiamento principal a ser conseguido junto de investidores estrangeiros.

O estudo indica ainda que em Portugal não existem unicórnios, ou seja, empresas que desde a sua criação já tenham sido avaliadas em cerca de mil milhões de dólares, e que a maioria das scaleups está localizada em Lisboa e no Porto.