Tendências de consumo que vão marcar 2016

2015 está a chegar ao fim e com a aproximação de um novo ano começam a surgir as habituais previsões de tendências e comportamentos de consumo que irão marcar 2016. Desta feita foi o TrendWatching, que destaca este ano cinco tendências de consumo que deverão estar na mente das empresas na criação de novos produtos, serviços e campanhas.

TESTAR O STATUS

Tenha sempre em conta a procura incessante dos consumidores por status e estará no caminho certo para decifrar o comportamento do consumidor em 2016. Pelo menos é o que diz o TrendWatching.

Em 2016, os consumidores procurarão exclusividade e, de acordo com a empresa, estarão dispostos a serem testados pelas marcas para provarem o seu valor. “Os testes de status farão exatamente isso, permitindo aos consumidores provarem as suas competências, criatividade, bom gosto. Mais, integrarem uma comunidade fechada com outros que estão dispostos a fazer o mesmo”, refere.

OMNIPRESENÇA CONTEXTUAL

2016 será também o ano do fim do omnicanal e do nascimento de novos canais e novos contextos. “Em 2016, o consumidor será perdoado por pensar que uma marca deve estar em todo o lado. Afinal de contas, atualmente, as expetativas em relação ao customer servicedesafiam as leis da física”, refere o TrendWatching.

Assim, nos próximos 12 meses, as “marcas inteligentes” estarão focadas em tentar decifrar uma equação mais importante: a criação de canais inovadores e contextos novos, isto é, estarão focadas no lugar certo e na hora certa.

Cultura empresarial

“A procura épica por um consumo mais sustentável e ético continua inalterada”, defende o TrendWatching. No entanto, em 2016, as marcas virar-se-ão para dentro e tentarão garantir que a sua cultura interna é algo que merece ser ostentado.

Porquê agora? Os consumidores têm estado preocupados em comprar produtos produzidos por trabalhadores vulneráveis de países em desenvolvimento. Contudo, agora, com o crescimento das desigualdades sociais e com a crescente insegurança no emprego, devido ao aumento do desemprego em todo mundo, a empatia dos consumidores pelo comum trabalhador da classe média também está a aumentar.

Assim, em 2016, as empresas serão obrigadas a pensar que aspetos da sua cultura interna seriam capazes de comunicar num outdoor, á vista de todos.

Tecnologia benéfica

Para o TrendWatching, as marcas devem “parar de ver o mundo pela lente da tecnologia e começar a ver a tecnologia pela lente das necessidades e desejos básicos dos humanos.” Por outras palavras, a tecnologia deverá ser usada para oferecer algo que os consumidores realmente queiram e precisem.

“Em 2016, um número crescente de consumidores irá exigir que as marcas utilizem tecnologias de inteligência artificial para colocar produtos e serviços realmente inteligentes nas suas casas.”

Os objetivos? Poupar dinheiro, poupar dinheiro, fazer com que os consumidores se tornem pessoas melhores e, no fundo, tornar tudo mais fácil. Afinal, os humanos têm limites, mas as suas expetativas não!

Mudança de perspetivas

2016 será o ano ideal para reposicionar o seu produto ou serviço. O objetivo é que os consumidores olhem para si de outra forma e passem a apreciar o valor que está a oferecer.

“A impulsionar esta tendência estão os novos mecanismos de financiamento e os novos modelos de negócio, as inovações digitais e as novas perspetivas de valor que tornaram o estabelecimento de preços mais fluido do que nunca”, refere a empresa. Um exemplo disso é a cada vez maior participação dos consumidores em iniciativas de crowdfunding.

Assim, os consumidores estarão cada vez mais abertos a inovações que joguem com a sua forma de pensar acerca do valor das coisas.