Valores aposta em Espanha e França

Os dois principais objetivos da Valores, para este ano, são, por um lado, manter as unidades franchisadas em Portugal, ou seja, evitar que alguma encerre, e, por outro lado, apostar na internacionalização. O CEO da empresa que se dedica à compra e venda de ouro, J. Chester, adianta que Espanha e França devido à proximidade geográfica e cultural serão mercados prioritários.

Neste momento, em Espanha já se podem encontrar 12 agências no continente e cinco em Tenerife. Em França, a marca já conta com dez agências em funcionamento.

O responsável acredita que “esta pode ser uma boa oportunidade para portugueses que estejam a residir em França e queiram criar o seu próprio negócio”.

Embora, neste momento, todas as agências existentes fora de Portugal sejam agências próprias, J. Chester avança que estão a surgir oportunidades para agências franchisadas, nomeadamente em França.

No mercado nacional, existem atualmente 188 agências Valores, sendo que destas 60% são unidades próprias e 40% agências franchisadas.

Em jeito de balanço, o empresário admite que ao nível da faturação da rede franchising no comércio tradicional houve um decréscimo de 10%. Mas “em termos de volume de negócios global da rede o valor foi de cerca de 45 milhões de euros”, afirma.

Investimento certeiro

Atenta ao mercado, no final de 2011, a empresa introduziu as primeiras máquinas multibanco de compra de barras e moedas de ouro, existindo duas máquinas ATM GOLD: uma em Gaia e outra em Cascais.

J. Chester assegura que este foi um investimento certeiro. “O serviço é muito procurado pelo investidor privado e por pessoas que querem assinalar uma data de vida importante com um valor que ficará para sempre. Neste momento, e dada a procura, alargamos o serviço de venda de barras e moedas de ouro a todos os balcões das agências nacionais”, adianta.

Atestando que o objetivo da empresa é inovar sistematicamente, o CEO antecipa que em breve estará disponível uma aplicação para iphone e para androide.

Recorde-se que o investimento inicial para abrir uma agência é de 50 mil euros, que inclui toda a formação, apoio logístico na criação e abertura do negócio, decoração e equipamento da loja.

J. Chester acredita que esta pode ser uma boa oportunidade para investidores e empreendedores, contudo adianta que o grande desafio deste negócio é reinventar-se sempre: “Não parar no tempo, saber evoluir e responder com qualidade e confiança às necessidades do cliente”.

Valor seguro

Até porque eventualmente a “febre” da compra e venda do ouro poderá passar. Mesmo assim o responsável contesta que “a história demonstra que em todos os momentos mais críticos do ponto de vista económico, o ouro assume-se como um investimento seguro, como um valor de refúgio. Há cada vez mais investidores privados que compram moedas e barras de ouro por lhes permitir uma confiança acrescida. Se a Valores continuar a saber dar a resposta que o cliente precisa, o negócio continuará a brilhar”.

Além disso, o entrevistado acredita que mais do que nunca o franchising tem um papel dinamizador na economia. “Na verdade, ao contrário do que acontece no caso de outras empresas ou negócios quando optamos por um negócio em franchising não estamos a criar um negócio do zero. Contamos com todo o know-how e experiência de quem já testou o negócio e nos garante a viabilidade do mesmo”, lembra J. Chester.

Além disso, a mesma fonte acrescenta que “trabalhar em rede garante o apoio de uma estrutura à qual podemos sempre recorrer e a interação entre os elementos de toda a cadeia permite agir em tempo útil e procurar as melhores respostas para os desafios diários”. 

Gostou deste artigo?

Se pretende ler mais artigos sobre franchising, empreendedorismo e gestão, subscreva a nossa newsletter aqui