Vendas da Remax crescem 20% no primeiro semestre

Vendas da Remax crescem 20% no primeiro semestre

A venda de imóveis da Remax Portugal cresceu 20% no primeiro semestre deste ano. Mantendo a tendência verificada em anos anteriores, as tipologias mais procuradas foram T2 (37%), T3 (31) e T1 (16%).

De acordo com os dados divulgados esta semana pela imobiliária, que opera em franchising, em termos de concelhos, a maioria das vendas realizou-se em Lisboa (22%), seguida pelos concelhos da área metropolitana da capital e pelo Porto.

Nos primeiros seis meses de 2015 registou-se uma quebra de 16% nos arrendamentos e os imóveis da banca corresponderam a 6% das transações registadas.

 “Os resultados mostram que continuamos a conseguir superar-nos. Diariamente tentamos fazer melhor do que no dia anterior e proporcionar aos agentes e aos diretores de agências novas ferramentas que lhes permitam também fazer melhor. Dia após dia, os nossos agentes e donos das lojas respondem de forma positiva. Trabalhamos em conjunto em prol de um objetivo comum: fazer todos os dias um pouco melhor do que no anterior”, explica Beatriz Rubio, CEO da Remax Portugal.

Relativamente aos imóveis de luxo (com preço superior a meio milhão de euros), os portugueses continuam a dominar as compras deste tipo de imóveis. No primeiro semestre de 2015, 49% das casas angariadas pela rede Remax com valor superior a meio milhão de euros foram vendidas a cidadãos nacionais.

Os chineses, brasileiros, ingleses, suecos e franceses são as nacionalidades mais preponderantes no negócio da imobiliária, segundo dados da empresa. Os imóveis de luxo angariados pela Remax corresponderam a cerca de 1% das transações e 3% do volume de negócios.

Em 2014, a Remax Portugal registou um crescimento na faturação superior a 32%, um aumento no volume de preços dos imóveis vendidos próximo dos 40%, rondando os 1,5 mil milhões de euros. Em Portugal, a empresa conta com cerca de 200 lojas e 3500 agentes e recebeu este ano o prémio de melhor país do mundo da rede, em número de novas agências e agentes.