Governo lança linhas de crédito de 3.000 M€ para setores mais atingidos pelo COVID-19

O Governo anunciou ontem (18 de março) um conjunto de linhas de crédito para apoio à tesouraria das empresas no montante total de 3.000 milhões de euros, destinadas aos setores mais atingidos pela pandemia COVID-19.

Em conferência de imprensa conjunta dos Ministérios das Finanças e da Economia, transmitida online, o ministro da Economia anunciou um conjunto de linhas de crédito, garantidas pelo Estado, que alavancam para 3.000 milhões de euros o apoio à tesouraria das empresas.

Estas linhas de crédito têm um período de carência até ao final do ano e podem ser amortizadas em quatro anos, referiu Pedro Siza Vieira.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou, por sua vez, que a contenção já implementada devido ao novo Coronavírus “está a levar a economia a tempos de guerra”, referindo que o momento exige “uma resposta sem precedentes”.

“Não regatearemos nenhum esforço para daqui por três meses dizer que enfrentamos mais uma crise”, declarou o ministro das Finanças.

Mário Centeno referiu que as medidas decididas para apoiar as empresas e proteger o emprego resultam de “uma resposta política coordenada de todo o Governo – é um momento de pensar em iniciativas para conter a doença e acudir à liquidez das empresas, em particular das Pequenas e Médias Empresas (PME), e às famílias que já hoje sentem impacto das medidas adotadas”.

“A contenção já implementada está a levar a economia a tempos de guerra. A hora é de conter aquilo que é a pandemia, mas a hora é também de manter a economia a funcionar, de manter o emprego, de garantir que as empresas têm liquidez para num momento difícil conseguir manter as suas obrigações”.

No final da conferência de imprensa conjunto, Mário Centeno deixou em aberto a possibilidade para a elaboração de um Orçamento do Estado retificativo durante 2020, de forma a acomodar as medidas previstas pelo Governo de apoio à economia anunciadas no âmbito do combate ao surto de COVID-19.