Importância dos pequenos negócios reconhecida no pós-confinamento

Um estudo conduzido pela Vistaprint indica que 66% dos portugueses acreditam que o confinamento provou a importância dos pequenos negócios locais. De acordo com o mesmo, mais de metade dos inquiridos sentiu falta de poder visitar pequenos negócios durante o período de confinamento e mais de 40% assumem dar prioridade a compras em pequenas marcas e negócios locais após o confinamento.

Este estudo teve como objetivo analisar a recuperação de pequenas empresas em período pós-confinamento, considerando uma amostra de 1000 portugueses, maiores de idade.

“Queremos apoiar os nossos clientes no dia-a-dia para se adaptarem melhor aos novos desafios causados pela crise do coronavírus e ajudar os proprietários de pequenas empresas a estarem prontos para voltar ao negócio com sucesso e segurança neste novo ambiente”, afirmou Laksamy Faymany, Southern Europe marketing manager da Vistaprint.

Com o país a assumir o “novo normal”, o período pós-confinamento pode apresentar novos hábitos de consumo dos portugueses. Mais de 60% dos inquiridos referiram que vão ter mais cuidados com os gastos, devido ao impacto da pandemia, e pouco mais de um terço assumiu ter de cancelar férias como consequência da pressão económica inerente à crise decorrente da pandemia.

Os pequenos negócios parecem continuam a estar no topo das prioridades dos portugueses. Mais de 80% dos inquiridos referiram ter optado por consumir produtos ou serviços de pequenos negócios locais, para apoiar a comunidade e contribuir para uma reativação da economia.

A relação com pequenos negócios foi mantida e reforçada através das redes sociais e de e-mail marketing, mas mais de metade dos portugueses sentiu falta de visitar os seus estabelecimentos favoritos, nomeadamente, por alguns fatores físicos como: a interação com os donos e colaboradores e o apoio ao cliente mais direto. Como consequência do confinamento, dois terços da amostra assumem respeitar ainda mais os donos de pequenos negócios, reconhecendo a importância dos mesmos nas comunidades locais.

Segundo o estudo, mais de 60% dos inquiridos afirmam ter vontade de ajudar na recuperação de pequenos negócios e 42% indicam uma preferência por negócios locais em período pós-confinamento. Assim, é essencial que os estabelecimentos assegurem uma experiência segura, confortável e informada, com recurso a material de comunicação que espelhe, de forma transparente, a forma como estão a proteger clientes e colaboradores, sem comprometer a viabilidade dos seus negócios.

“Durante o confinamento, mais de 50% dos proprietários de Pequenas Empresas articularam a sua abordagem com quase duas vezes mais PMEs a vender online como consequência direta da covid-19. Para facilitar uma recuperação pós-confinamento bem sucedida, os donos de PMEs estão focados nas medidas de segurança para tranquilizar os clientes; a adaptação dos modelos de negócio para ir de encontro aos novos hábitos de consumo, assim como o recurso ao marketing através de produtos impressos, passaram a ser uma forma primária de promoverem o seu negócio” indicou Simon Braier, diretor de customer strategy da Vistaprint.

O estudo aponta ainda que, a pensar nos mais de 40% dos portugueses a fazerem mais compras online, as plataformas digitais devem ser intuitivas e proporcionar experiências de compra simples e agradáveis, de forma a estabelecer e reforçar relações, com especial foco nos 38% que assumem dar mais atenção a marcas que comunicam nas redes sociais, através de e-mail marketing ou outros canais digitais.