retalho restauração

Mais de 80% das empresas de retalho e restauração admite despedimentos

A AMRR, Associação de Marcas de Retalho e Restauração, revela que 82% das empresas dos setores do retalho e restauração considera muito provável ou quase certo de que venham a ter de despedir trabalhadores, caso não sejam apoiadas devido ao encerramento das atividades. O resultado é do mais recente inquérito da AMRR feito aos seus associados, representantes de mais de 3.500 lojas e restaurantes.

O inquérito revela ainda que 97% das empresas de retalho e restauração consideram importante ou muito importante que seja determinada a isenção ou o apoio no pagamento das rendas. Já 74% das empresas de ambos os setores assinalaram como importante ou muito importante o prolongamento das moratórias de crédito.

“Os empresários têm feito de tudo para salvarem os seus negócios e, sem receitas, continuam a pagar as rendas, fornecedores, custos fixos e parte do lay-off”, refere Miguel Pinas Martins, presidente da Associação de Marcas de Retalho e Restauração. “Não é aceitável que os empresários tenham de recorrer aos despedimentos para manterem os seus negócios vivos, pelo que é urgente haver apoios efetivos”, acrescenta o responsável.

Após as declarações do Ministro da Economia sobre novos apoios, a AMRR “aguarda com expectativa, mas com cautela, as medidas concretas”.

A AMRR recorda que, no espaço de um ano, o comércio terá seis meses de faturação zero. Sendo que nos restantes seis meses, a faturação teve quedas médias de 40%, sendo que foram de 70% no mês de janeiro deste ano.