Portugueses acreditam que serão afetados pela crise provocada pela pandemia

Na semana em que se adensaram os rumores sobre a austeridade, e em que o Primeiro-Ministro, em entrevista ao semanário Expresso, afirmou “temos de evitar a todo o custo ter austeridade, não ajudaria, só complicaria”, os portugueses parecem estar conscientes da real situação e não têm dúvidas que vão sofrer quebras nos seus rendimentos devido à crise provocada pela COVID-19: 98,8%, revelam os dados mais recentes do Barómetro de Opinião COVID-19 da Marktest.

Situa-se agora nos 40%, o valor daqueles que afirmam já terem sido afetados financeiramente pela crise. Ainda assim, 72,8%, afirmam que continuam a ter capacidade financeira para fazer face a todas as despesas domésticas, estando este valor em linha com o registado nas últimas 3 semanas.

23,2% referem que começam a sentir algumas dificuldades financeiras para fazer face às mesmas e 4% já não conseguem fazer face a todas as despesas domésticas, por quebra no rendimento familiar. São sobretudo as mulheres e o escalão dos 35/54 anos, que referem esta dificuldade.E apesar de vivermos em Estado de Emergência, declarado até ao próximo dia 2 de maio, diminuiu 5 p.p., a percentagem de portugueses que se encontram confinados nas suas casas, face há uma semana.