O volume de negócios no comércio a retalho registou uma variação homóloga negativa de 21,6% em abril, (redução de 5,6% no mês anterior), agravando em 16 pontos percentuais (p.p.) o desempenho comparativamente com março, revelam os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Vendas no retalho europeu crescem em maio

As vendas no setor do retalho europeu registaram um crescimento a duplo dígito, de acordo com os últimos dados do Eurostat.

Depois da quebra verificada no mês de abril, o setor do retalho na zona euro registou, em maio, uma evolução de 17,8% em comparação com o mês anterior, com os números a mostrarem uma subida de 16,4% para a União Europeia (UE), salientando os responsáveis pelos dados que esta situação se deve, naturalmente, “ao desconfinamento registado em diversos Estados-Membros.

Recorde-se que em abril de 2020, as vendas no setor do retalho tinham caído 12,1% na zone euro e 11,4% na UE.

Na zona euro e na comparação mensal, a maior subida foi registada nos combustíveis (+38,4%), seguidos pelos produtos não alimentares (+34,5%) e, finalmente, pelos produtos alimentares e bebidas (+2,2%). Já na UE, nos combustíveis a subida foi de 31,9%, enquanto produtos não alimentares e produtos alimentares e bebidas aumentavam as vendas em 30,2% e 2,1%, respetivamente.

Destaque para o facto de, em maio de 2020, as vendas no retalho têxtil, fashion e calçado terem crescido 147% face ao mês anterior na zona euro e 130,7% na UE.

Na comparação mensal (maio 2020 vs abril 2020), Portugal aparece a meio da tabela, com um crescimento de 13,1%. De referir que nos meses anteriores, as vendas no setor do retalho, em Portugal, tinham registado quebras de 17,4% (abril 2020 vs março 2020) e de 12,6% (março 2020 vs fevereiro 2020).

De resto, todos os Estados-Membros registaram subidas nas vendas no setor do retalho, com destaque para o Luxemburgo (+28,6%), França (+25,6%) e Áustria (+23,3%).

Já na análise anual, o Eurostat mostra que as vendas no setor do retalho na zona euro registaram uma quebra de 5,1% face ao mesmo mês de 2019, enquanto na UE essa quebra foi de 4,2%.

Na zona euro, o comportamento das vendas no retalho, comparando maio de 2020 com maio de 2019), foram de quebra nos combustíveis (-27,4%) e produtos não alimentares (-9%), enquanto os produtos alimentares e bebidas subiam 4,9%.

Já na UE, os números do Eurostat mostram uma descida de 24,3% nos combustíveis e de 6,9% nos produtos não alimentares. Os produtos alimentares e bebidas são, novamente, os únicos a subirem (4,1%) na comparação dos meses de maio 2020 e maio 2019.

Nesta comparação anual, Portugal suaviza um pouco a quebra que vinha sendo registada no mês anterior. De facto, depois de ter caído 21,5% em abril de 2020 face a mês homólogo de 2019, no mês de maio de 2020 essa quebra foi de 12,7% face a igual mês do ano anterior.

Já no mês de março 2020, o setor do retalho tinha caído 5,2% face ao mesmo mês de 2019.

Neste particular, destaque para as descidas de Bulgária (-20,4%), Luxemburgo (-19,7%) e Espanha (-17,9%). Mas houve, também que tenha registado subidas quando todos os restantes Estados-Membros apresentavam números negativos. Alemanha (+7,2%), Dinamarca (+6,6%) e Áustria (+4,8%) são evidência disso mesmo.