O secretário de Estado do Comércio e Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, deu a sua perspetiva sobre a crescente digitalização do setor do retalho.

“A transição digital também pode ser uma disrupção na experiência de consumo”

Durante a sua participação no webinar ‘O comércio na distribuição moderna’, organizado pelo Aqui é Fresco, o secretário de Estado do Comércio e Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, deu a sua perspetiva sobre a crescente digitalização do setor do retalho.

Segundo o mesmo,  “é necessário promover a inovação, a competitividade e a resiliência” dos agentes económicos, tendo este fator de se “materializar e tornar tangível” numa ótica de transição.

Neste sentido, João Torres defende que “a transição digital também pode ser uma disrupção na experiência de consumo”, isto porque com o crescente recurso às vendas online e a métodos de pagamentos inovadores, “há muitas tecnologias que se estão a desenvolver para tornar diferente a nossa experiência de consumo”.

A mesma perspetiva foi partilhada por João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, que defendeu que o modelo físico no comércio “não será abandonado”, mas dará, isso sim, origem a um sistema misto: “Acredito na existência de um mix de canais para a otimização do negócio”.

Ana Paula Barbosa, Retailer Vertical Director Nielsen Portugal, que na sua intervenção deu especial destaque ao comércio eletrónico, segundo comunicado, lembrou, por isso, que a Nielsen registou, em 2020, uma “duplicação do número de lares que compraram online em supermercados e hipermercados, atingindo uma taxa de penetração de 20%”, isto em comparação com dados do ano anterior.